#FREETHENIPPLE é um movimento mundial que busca desvincular as operações de objetificação, obscenidade e pornografia, da representação do corpo feminino. Esse trabalho é um comentário crítico à censura imposta aos mamilos femininos em redes de compartilhamento de imagens. A visualidade acerca do corpo feminino foi historicamente controlada através da hegemonia masculina em relação à autoria, em campos como a pintura, a fotografia, o cinema, e nas artes num geral. Agora enfrentamos sistematicamente as plataformas e seus sistemas censurantes. Redes como o Instagram e o Facebook possuem ferramentas de detecção e bloqueio das imagens contendo mamilos femininos. O corpo é constantemente violentado nesse fluxo e o mamilo associado necessariamente à pornografia, quando na maioria das vezes representa nossa natureza, nossa verdade, nossa força. Nesse jogo entre a pornografia e a censura, perdemos dos dois lados. As intervenções censurantes utilizadas para garantir a circulação das fotografias são muitas, desde poses e objetos em frente aos seios, passando por tarjas, riscos, emojis, pixeis, blur, até o ponto de serem a completa retirada digital do mamilo. Resta um seio artificializado, ultrajado, e negado. E sim, isso significa muito. Essa é uma compilação que produzi a partir da apropriação e organização de inúmeros recortes de imagens que passam diariamente pelo meu feed no instagram.